quarta-feira, 9 de agosto de 2006

Amor crescente 2

“Na verdade sinto saudade dos meus filhos pequenininhos pela emoção que sentimos ao ver uma mãozinha minúscula, um sapatinho, as primeiras palavras, as evoluções, o milagre da natureza que é uma criança pequena. Mas nada supera os seres pensantes que vamos descobrindo ter em casa e a construção dessa relação. Quando vejo o bebê de um amigo, acabo sempre dizendo a mesma coisa: "Se você tá encantado agora, espera só até ele começar a dizer o que pensa". O mundo se abre! Meu Deus, é uma pessoa! E uma relação pra toda a vida.

Um belo dia toca o seu celular e você ouve do outro lado um sonoro mamãe te perguntando alguma coisa. Ele telefonou pra você sem a ajuda de ninguém. Você não fala mais com ele mastigando as palavras e, quando percebe, tem um amigo. Um menino de 6 anos que, às vezes, com muito humor, tira uma de você. No outro dia, ao entrar no carro, ouvi: "Mamãe, vê se não vai se perder, hein?" Me deu um alívio enorme perceber que meu pequeno Nino já bem conhecia a sua mãe. Sempre me perco no trânsito de São Paulo.

Se a gente se perder, a gente se acha, meu filho. Já nos conhecemos e agora é que começa a deliciosa aventura que é ser sua mãe. Com muitas emoções, alegrias, dúvidas, brigas, angústias, preocupações, risadas, conversas e tropeços em tênis esquecidos no meio da sala, vou tentando administrar as diferenças e me deleitando na riqueza que é conviver com vocês.”

A Greice publicou no seu blog, eu amei e copiei um trecho desse texto da Denise Fraga. É isso que quero dizer, quando falo no Yuri, quando imagino o Caio daqui há 5 anos. Eu pensava que os filhos cresciam e “perdiam a graça”. Mas aí é que a coisa começa a ficar ainda melhor. Como disse, 2 posts atrás, é um amor que só cresce junto com eles. Eu estava errada. Ainda bem!

9 comentários:

Isabella disse...

Dinha, é uma coisa mesmo, né? Também amei esse texto, por coincidência escrevi um post hoje sobre o medo que eu sinto da Beatriz crescer e a vontade que tenho de vê-la crescendo ao mesmo tempo. Aí hoje ligo para casa e quem atende? A própria, não só já sabe falar ao telefone como já está virando nossa telefonista oficial. Tudo é uma delícia nessa experiência da maternidade, né? Beijo!

Karin disse...

Oi, Dinha

Lindo este texto, né?
Falou tudo e mais um pouco!!!!
Grande beijo,

Márcia POA disse...

Dinha querida, que saudades. Não tenho tido muito tempo nem para "visitar as casinhas", mal consigo me atualizar lá no LV.
Amei esse texto, concordo inteiramente com isso, a cada dia que passa gosto mais de cuidar dos meus filhos e sempre acho que a fase atual é a melhor de todas.
Beijocas.

Flávia disse...

Dinha, esse texto da Denise estádemais(aliás, como praticamente todos).
Pelos sintomas do Caio ele deve ter refluxo mesmo...Depois conta aqui como foi no gastro.
Beijos!

Claudia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Claudia disse...

Minha "gentinha" está com 3 anos e já é tão faladeira das próprias idéias. Não é mais aquele papagaiozinho, repentindo o que ouve. Ela PENSA... é demais!!!!
Bjs

Fairuce disse...

Oi querida..
Tambem vi esse post na Greice e gostei muito...
Ai ai, que vontade de ter os meus logo...
Beijos pra ti (ah e seus filhotes estao cada vez mais lindos!! Parabens!!)

Daniela disse...

dinha, esse seu post tem tudo a ver cm a pergunta que o diego fez pra mim ontem: "vc me preferia bebe ou agora?". acho q cada fase tem seu brilhoe e é diferente, mas sinceramente? prefiro agora. hj ele é meu melhor amigo. bjos querida

Greice disse...

Dinha, passei correndinho só para te desejar um bom final de semana, descanse um pouquinho e curta muito seus príncipes lindos!
beijos.