sexta-feira, 6 de outubro de 2006

Pipoca ou Piruá? Eu decidi!

Em tempos difícies (e tom aqui não é de lamentação; não são os primeiros, não serão os últimos e certamente já tive piores), reencontrei este texto que gosto muito e que me deu a certeza de que sou, ou ao menos tento ser uma pipoca danada!

Pipoca ou Piruá?


A transformação do milho duro em pipoca macia é símbolo da grande transformação por que devem passar os homens para que eles venham a ser o que devem ser.

O milho de pipoca não é aquilo o que deve ser. Ele deve ser aquilo que acontece depois do estouro.

O milho de pipoca somos nós: duros, quebra-dentes, impróprios para comer. Mas a transformação só acontece pelo poder do fogo.

Milho de pipoca que não passa pelo fogo, continua a ser milho de pipoca, para sempre.

Assim acontece com a gente. As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo. Quem não passa pelo fogo fica do mesmo jeito, a vida inteira.

São pessoas de uma mesmice e uma dureza assombrosas. Só elas não percebem. Acham que é o seu jeito de ser. Mas, de repente, vem o fogo.

O fogo é quando a vida nos lança numa situação que nunca imaginamos. Dor.

Pode ser o fogo de fora: perder um amor, perder um filho, ficar doente, perder o emprego, ficar pobre.

Pode ser o fogo de dentro: pânico, medo, ansiedade, depressão, sofrimentos cujas causas ignoramos.

Há sempre o recurso do remédio. Apagar o fogo.

Sem fogo, o sofrimento diminui. E com isso a possibilidade da grande transformação. Pipoca, fechada dentro da panela, lá dentro, ficando cada vez mais quente, pensa que a sua hora chegou: vai morrer.

Dentro de sua casca dura, fechada em si mesma, ela não pode imaginar destino diferente. Não pode imaginar a transformação que está sendo preparada.

A pipoca não imagina aquilo de que ela é capaz.

Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo a grande transformação acontece: Bum!

E ela aparece como uma outra coisa, completamente diferente do que ela mesma nunca havia sonhado.

Piruá é o milho de pipoca que se recusa a estourar. São como aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente se recusam a mudar. Elas acham que não pode existir coisas mais maravilhosas do que o jeito delas serem. A sua presunção e o medo são a dura casca que não estoura.

O destino delas é triste. Ficarão duras a vida inteira. Não vão se transformar na flor branca e macia. Não vão dar alegria a ninguém. Terminado o estouro alegre da pipoca, no fundo da panela ficam os piruás que não servem para nada. Seu destino é o lixo.

E você, o que é? Uma pipoca estourada ou um piruá?

10 comentários:

Isabella disse...

Dinha, eu às vezes me sinto uma pipoca, às vezes um piruá, para te ser bem sincera. Mas você, com toda certeza, é uma pipoca, das macias e gostosas que existem. Beijo!

Greice disse...

Perfeito, Dinha! lindo este texto!
Como bem disse a Isa, nem sempre dá pra se sentir uma pipoca, mas o melhor é pensar que todos podemos, é só não resistir tanto ao fogo, né?
beijos e bom final de semana!

Chris, mãe da Cecília disse...

Dinha, texto sensacional!!!
Vou pegá-lo emprestado, posso?

Beijocas mís!

Roseh disse...

Dinha

Já conhecia esse texto, e acho lindo. Nos ensina a não esmorecer diante de qualquer dificuldade, pois os problemas nos transformam. Estamos aqui para tentar ser uma boa pipoca, estourada de preferência. Com certeza eu tenho muito que aprender ainda, estou começando a esquentar agora. Mas você já é uma grande pipoca, com certeza.
Um abração bem grande.

Andressa disse...

Ah querida, amei amei amei o texto! Vou copiar, já vou avisando!
Bom saber que está tudo bem, apesar da coreria e dosprobleminhas de todos os dias!
biejos

Jerê disse...

Belo texto...
Mas vc deveria mencionar que o texto é do Rubem Alves. Isso é plágio, sabia? Pode dar processo...

Anônimo disse...

Penso que não seja plagio o que voce fez. Há na internet belissimos textos e não são citados os autores. Mesmo assim não deixam de ser belos! Parabéns pelo incentivo à sociedade em refletir sobre a sua postura na mesma. Devemos ser pipoca e modificar certos comportamentos de outras pessoas que estão no mundo somente para criticar. Devemos criticar sim, mas desde que façamos algo para mudar aquilo que já foi feito anteriormente para melhor, pois criticar por criticar não basta!

Nelson Costa disse...

Bom, primeiramente parabéns pelo excelente texto, (acho que sou um pouquinho piruá rsrsrsrs) e segundo, não é plágio, apenas uma "cópia".

É como digo, tem gente que gosta de RÓTULOS outros de CONTEÚDO.

Quando se "copia" alguma coisa das duas, três:
1)Abre e fecha aspas
2)Transcreve em forma ítalica (foi o que você fez) e
3)Colaca o nome do autor.

Portanto seu texto esta perfeito e belo.

Nelson Costa
Obs; engraçado, coloquei apenas a frase no meu blog O QUE VOCÊ QUER SER, PIPÓCA OU PIRUÁ?
Olha onde vim parar. rsrsrsr

Paulo disse...

Todos nós temos os momentos pipoca e momentos piruá: difícl é manter o equilíbrio, cuja regra fundamental é produzir pouco piruá e muita pipoca.
Portanto, muita pipca para quem ler esse texto e concordar !

Anônimo disse...

descobri que a vida nao vale a pena quando decidimos ser piruá, pois maior foi a minha descoberta pois sempre fui a pipoca , que mesmo linda semtenho a grande misao de fazer alguem feliz simplesmente por ser aquela pipoca que venceu o fogo , porque tinha que saciar alguem.......