quinta-feira, 28 de setembro de 2006

Bodas de Estanho


Tem um trecho de um livro da Marina Colasanti (E por falar em amor) que me serve bastante no dia de hoje, quando completo 10 anos de casada, 14 entre namoro, noivado (meu Deus, sou uma senhora, do tempo em que ainda se ficava noivo!) e a foto acima, tirada às 20 horas do dia 28 de setembro de 1996:

“Amado meu que me olhas docemente
Sabes tu que debaixo do teu olhar
Me pergunto se ainda te amo
E como te amo?
E sofro em silêncio,
Porque tenho medo que minha dúvida
Apague o amor dos teus olhos
E eu não posso correr o risco do teu desamor
Se ainda não tenho certeza do meu...”

Hoje completamos Bodas de Estanho. Para mim, parecem de Cristal. O amor passa por um momento frágil, delicado, onde a transparência pode ser o que de mais bonito ele tenha para deixar. Não é a primeira crise, espero até mesmo que não seja a última.

Um dia escolhemos um ao outro para compartilhar a vida, com suas alegrias e suas dores. Éramos cheios de sonhos e paixão. As coisas mudaram bastante. Não sei se sou eu, se é ele. Provavelmente, são os dois, amadurecidos e calejados. Precisamos descobrir o que ainda resta daquele sentimento que nos uniu. Além dos belos filhos, quero mais motivações para as próximas Bodas que ainda planejo celebrar.

8 comentários:

Aline disse...

Definitivamente estou me sentindo uma velha..... lembro daquele moço de cabelos pelos ombros... magrinho....
Eu acabei tenho só metade do teu tempo de casamento, e as vezes fico pensativa como tu estás... mas já dizia o poeta: "toda a forma de amor vale a pena...."
Curta o teu dia de hoje, na melhor maneira possível... e nas próximas bodas, tudo vai estar melhor!
Bjs

Isabella disse...

Dinha, parabéns para vocês pelas bodas. Data muito especial, né? Um grande beijo para todos, fiquei muito feliz de ler no LV que os meninos estão bem.
Melhoras para a gripe e curta bastante o marido por esses dias, tá? Beijo!

Greice disse...

Dinha, dizer o quê? Espero de coração que seja apenas um momento, pelo qual todas nós passamos e que vocês comemorem muitas bodas juntos, se amando sempre.
Nós somos seres em constantes mudanças, e esta é a graça da vida. Se fossemos sempre iguais não evoluiríamos. E é muito difícil saber que não somos a mesma pessoa de 14 anos atrás (no seu caso, 5 no meu) e que ainda assim precisamos ter objetivos em comum, e amar aqueles em que nos transformamos. É um exercício diário, mas que acho que vale a pena. parabéns pelos 10 anos, pelos frutos destes 10 anos e que realmente sejam os primeiros de muitos outros 10 anos!

Bárbara (motherns) disse...

Amiga, muitas outras bodas virão! O amor vence tudo! Tu sabes bem disso!!
um beijo e parabéns!

Claudia disse...

Dinha querida,
Sempre que venho aqui aprendo mais com vc. Tb luto contra a depressão e os "maus pensamentos" e quando te leio, sempre sinto mais força pra lutar.
Beijos no teu coração. Beijinhos nos meninos... Parabéns pelas bodas.

Chris, mãe da Cecília disse...

Oi, Dinha!
estou na torcida para que esta fase seja apenas isso: uma fase! Todos nós passamos por altos e baixos (às vezes mais altos ou mais baixos), mas sempre encontramos uma coisinha que nos faça pensar que os altos são sempre mais fortes e importantes!
Beijos grandes

Jucilene disse...

Dinha,
parabéns pela coragem de revelar os altos e baixos e de colocá-los na net. Saiba que todos nós, casados, passamos por isso e com Deus podemos todoas as coisas, por isso vencemos sempre. O lar é uma benção do céu,a família é sagrada e como tal deve ser sempre dedicada ao Senhor. Eu tenho 18 anos de casada, duas filhas lindas e um marido amoroso. Amo todos. Ás vezes me pergunto: onde está aquele sentimento eufórico de antes? E vejo que ele amadureceu, ganhou experiências e cresceu. Claro que não podemos deixar a rotina tomar conta das nossas vidas. Então que tal fazer algo diferente para o seu amado? Um jantar especial, uma noite em um hotel, um passeio de mãos dadas na praia (sozinhos). Deixe os princípes com alguém e curta o seu marido. Beijos, Jucilene - Belo Horizonte.

Anônimo disse...

Fico feliz de saber que não sou só eu que me sinto como se as bodas fosse de cristal, é linda a sua sinceridade. Não espere as crianças crescerem, faça agora uma segunda lua de mel. Por muito tempo, coloquei meus filhos como impedimento pra não sairmos juntos, só os dois; mas hoje vejo que não há necessidade de pensarmos assim nossos filhos graças a Deus são crianças saudáveis, podem ficar um dia com tia ou com a vovó para o casal passear de mãos dadas, ainda que para tomar um sorvete na praça, é muito bom olhar nos olhos um do outro sem pressa. Beijos no seu coração, que Deus te abençoe grandemente.