quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Classificados de empregos

Eu preciso muito de um emprego.
De estabilidade. De dinheiro fixo, com dia certinho pra chegar.
Mais de 2 anos desempregada e tem sido f*da.
As necessidades do Caio só crescem. Agora, a médica fisiatra incorporou mais uma medicação à extensa lista que ele já usa. As comidas especiais, sem glúten, sem proteína animal e sem lactose cada dia mais caras. O benefício mal dá conta. Sempre tem algo que fica para o mês seguinte...
E nem vou entrar no mérito de que tenho DOIS filhos. Ou seja, Yuri também tem seus gastos.

Mas, se emprego não está fácil para ninguém, muito menos para a mãe de um portador de deficiência.
Algumas pessoas imaginam que num caso como o meu, buscariam qualquer emprego, qualquer salário, a ficar sempre correndo atrás da máquina no quesito finanças e as necessidades desse filho. Ok, maravilha. Na teoria.

Quem vai ficar com meu Caio enquanto trabalho? Não dá para ser uma simples babá. Precisa ser uma pessoa muuuuito paciente e atenta a qualquer sinal leve de crise convulsiva - as dele são quase silenciosas, mas perigosas, porque a saturação baixa muito e rapidamente. Precisará ainda acompanhar ele aos tratamentos de fisioterapia, hidro, t.o, fono. E, logo, logo, ainda vai ter que levá-lo e buscá-lo na escola. Vai se dispôr, assim? Por quanto? Quanto preciso ganhar para ter algum "lucro"?

Até 2008 quem cuidava dele era minha mãe. Eu pagava, na época, um salário mínimo a ela. Hoje ela não tem mais condições de saúde para assumir esse compromisso.

Não tenho medo nem preguiça de trabalhar. Tanto é que me sujeitei, como recenseadora, a trabalhar sábados, domingos, até tarde da noite, pegando sol e chuva na rua... naqueles dias de Censo eu negociava algumas horas por dia com minha mãe ou meu marido. Mas eu fazia meu horário, grande diferencial. E, como já disse, nesses últimos meses minha mãe teve problemas de saúde bem agravados, o que não permite mais que eu possa contar com ela por períodos maiores do que duas ou três horas... E meu marido tem assumido todas as despesas da casa nos últimos 6 meses. Mas, como é autônomo, quanto menos tempo ficar "na rua" atendendo seus clientes, menos dinheiro pinga aqui em casa.

Os docinhos me dão grande prazer e um bom retorno financeiro, mas as encomendas ainda são muito esporádicas. Agora, por exemplo, pós o boom das caixas para festas de fim de ano, tá tudo parado...

Minha grande expectativa reside que Caio possa se adaptar super bem à escola e, quem sabe, eu consiga um emprego para o turno da tarde. Aí, ele estando na escola (regular, municipal), posso, provavelmente, aceitar qualquer salário, que já será de valiosíssima ajuda.
Estou procurando, fazendo contatos, atualizei meu portfolio.
Entre as grandes e importantes metas para 2011 está voltar ao mercado formal de trabalho!

4 comentários:

Biih Dias disse...

Boto FÉ que vc vai conseguir!
Vc já É vitoriosa.
Sucesso em teus objetivos.
Beijos :)

Ane disse...

Imagino um pouco do que deves estar passando. Fiquei quase um ano desempregada e o marido com trabalho regular, mesmo assim... foram tempos difíceis. Mas sei que a luz sempre brilha no fim do túnel, o problema é que teu túnel não chegou ao fim! Vamos fazer uma corrente positiva, novena, sei lá. Mas vamos acionar o espiritual pra resolver isso!

Karla Coelho disse...

Tenho certeza que tudo dará certo!

Por que vc não faz uns doces e leva embrulhado pra escola do Yuri e deixa na cantina, deixa um pouco com seu marido pra vender, com sua mãe, sai como no senso pra vender pras vizinhas (vai nas casas ou ve se alguém vai pra receber porcentagem, pode até ser o Yuri), faz contatos com lanchonetes e cantinas de escolas e faculdades pra deixar lá... assim, quando não tiver encomenda, vc ganha nesses pontos fixos.

Porque vc além dos docinhos não pega convites de aniversário pra fazer. Hoje em dia é moda ter tudo pernonalizado e como vc é publicitária, vai se dar bem. Te mostro uns sites de scrapbook digital... vc pode fazer calendários, camisetas, banners, etc.

Comidas restritas são caríssimas mesmo... Quer uns sites de receitas vegans ou de receitas sem glúten e leite? Você pode começar a vender comidas especiais também, para alérgicos, já pensou?

Conte sempre comigo!

Beijos!

Luiza Coelho disse...

Oiiiiiiii! Tenho certeza que no momento certo você vai arrumar seu emprego... e fé de que ele está próximo. Feliz pelo Caio estar tendo a oportunidade de ir pra escola e torcendo pra ele amar e ser muito feliz.
Esse é o ano da comunicação... vai dar tudo certo :D
beijos