quarta-feira, 2 de maio de 2007

O meu desenvolvimento

Costuma-se dizer que sempre que nasce um bebê, nasce também um pai, uma mãe e uma família. E este processo, eu vivenciei serenamente com a chegada do Yuri. A chegada do Caio foi uma revolução em minha vida. No começo, com a prematuridade inesperada e tudo o que decorreu dela, as coisas pareciam fora de controle, fora dos seus devidos eixos. Depois da internação, chegando em casa, eu precisei “aprender” a ser mãe de novo, numa situação diversa da primeira vez, com mais detalhes, maiores cuidados, enfim.

O primeiro ano do Caio foi extremamente doloroso pra mim. Porque foi um período de incertezas, medos, prognósticos muito negativos. Eu não passava mais do que 15 dias sem ter crises de choro compulsivas com medo do futuro que nos pintavam, questionando o mundo inteiro por nossa “falta de sorte” ou com a “injustiça” do destino.

Hoje, o cenário é outro. O primeiro aniversário foi a vitória da vida dele, que esteve ameaçada um par de vezes logo no seu turbulento início. O segundo, quase chegando, é uma vitória coletiva. É a vitória do amor, da persistência, da pesquisa, da dedicação. É a soma de várias vitórias individuais – minhas, do Sandro, do Yuri e de quem aprendeu a amar o Caio como ele é – com déficits* ou sem eles.

E neste momento, de serenidade conquistada, eu vejo o meu crescimento. Um processo que não vivenciei com o nascimento do Yuri. Mas que o Caio me presenteou. Tenho a certeza absoluta que meus filhos são, os dois, inquestionáveis bênçãos em minha vida. E dentro da minha fé pessoal, acredito piamente que eu e o Caio (e o Sandro, o Yuri e tu que estás lendo este post) escolhemos nossas trajetórias nesta encarnação. E acho que estamos cumprindo honrosamente nossos papéis.

Sempre me achei uma menina frágil, carente. Nunca tive coragem de me valorizar, enumerar minhas qualidades pessoais (até mesmo porque eu não as via). Hoje, não sou (ou não quero ser) mais esta menina. Sou uma mulher batalhadora, obstinada, corajosa. Tenho noção dos meus defeitos e limitações e estou me aprontando para aceitar os que não posso mudar, ao mesmo tempo em que estou dedicando um tempo para mudar aqueles passíveis de mudança. Estou tomando as rédeas da minha vida, pela primeira vez em 34 anos.

E tudo isso, devo muito a uma pessoinha que chegou na minha vida a pouco menos de dois anos. Alguém que tem se desenvolvido devagarinho, mas lindamente, todos os dias. Que me ensinou que eu posso fazer o mesmo. Um dia de cada vez.

Quando olho pra trás, vejo que hoje sou mais forte pra brigar pelo que acredito, deixei de baixar a cabeça para aquilo que não concordo. Ao mesmo tempo, sou mais sensível, mais diplomática, pra não meter os pés pelas mãos e sair esbravejando por justiça (a não ser que eu esteja munida de bons argumentos). Sou menos preconceituosa, faço muito menos pré-julgamentos do que costumava fazer. Concedo ao outro o benefício da dúvida. Desenvolvi minha fé. Deus é meu amigo, não é meu juiz. Não me castiga, me dá situações de aprendizado.

O Caio se desenvolveu imensamente desde o nascimento, considerando tudo o que ele passou, do ponto de vista neurológico. Reverteu um quadro considerado irreversível para um futuro repleto de perspectivas. E fez muito mais: revolucionou a minha vida, o meu coração. Me deu um novo olhar sobre tudo. Ele vai fazer 2 anos. Eu, 35. E estamos assim, de mãos dadas, prontos pra crescer muito mais, vida afora.


*Algumas pessoas já me apontaram que uso a palavra déficit e não deficiência, como um eufemismo pra mascarar a realidade do meu filho. Discordo. Acho que deficiência é um termo estático, definitivo. Déficit é uma carência que pode ser suprida, um quadro que pode ser alterado. O Caio não é deficiente físico. Ele é portador de paralisia cerebral, tem déficit motor, visual e fonoaudiológico (especificamente fono, não auditivo). Mas tem mostrado progressos constantes e significativos e todos os prognósticos apontam para a superação deles. Como costumo dizer, perde quem olha meu filho com esses olhares rotuladores e preconceituosos. Perdem a chance maravilhosa de conhecer um menino amável, alegre e muito sociável. O meu post de hoje só ratifica a grandiosidade desta pessoa maravilhosa que recebi como filho.

15 comentários:

Claudia disse...

Oi Querida,
Mais uma vez estou aqui pra dizer o quanto te admiro.

Parabéns, 1000 vezes parabéns por tomar as rédeas da sua vida nas mãos. Só quem não as tem em mãos pode saber o quanto isso significa.

Um beijão!!!

Lili disse...

Dinha,

MARAVILHOOOOOOOSO! É o que posso dizer deste post.
Quantas coisas os filhotes trazem para vida da gente, que capacidade é esta destes pequeninos que nos ensinanam tanto.
Nós estamos daqui aprendendo com os nossos, com você e com os seus.

Beijos e muitas saudades!

vanessa disse...

Dinha,

Fortalecedor!

Teu post pra mim foi o que escrevi acima!
Nossos filhos são nosso porto seguro e nossa fortaleza, são eles que nos fazem cada dia dar um passo em frente apesar de alguma coisa. E amigas como você também nos fazem assim, nos sentir fortes e sempre na busca de novos horizontes.

bjs imensos no seu coração!!!

Flávia disse...

Dinha, parabéns a você e a seu filhote lindo! Que Deus continue iluminando vocês!
Beijos!

Márcia POA disse...

Dinha querida, amei o teu post. Eu sempre fui fã incondicional do Caio e quando nos encontramos aquela noite e peguei ele no colo tive certeza do que eu já sabia desde sempre, que ali estava um menino muito especial, cheio de luz e com uma missão muito bonita. Como gostava de dizer a minha avó (a pessoa mais doce que já conheci na vida) ele é um "anjo caído do céu por descuido". Muitos beijos e muitas saudades.

Rose disse...

Dinha, lindo o teu post... Parabéns pela coragem que teve e demonstra todos os dias. E sem palavras para dizer o quanto concordo contigo: nossos filhos nos ensinam algo novo e lindo todos os dias. Somos mais fortes por eles.
Beijo grande para todos.

Greice disse...

Dinha, lindo lindo seu post. Me surpreende um pouco quando vc diz que sempre se achou uma menina. Porque pra mim você é a mulher mais Mulher que eu conheço, com M maiúsculo mesmo. Como dizem, ter coragem não é não ter medo.(só os idiotas não têm medo). Ter coragem é enfrentar os medos, e pra mim você é essa imagem, da pessoa que enfrenta os medos por amor à sua família. Por isso vc é um exemplo, uma lição de vida.
Beijos!!

Claudia Medeiros disse...

Dinhaaaaa! Como sempre vc arrasou! E acho que é aquele papo que o que não nos mata, nos fortalece! Vc pra mim é uma fortaleza, sei que como qualquer pessoa, tem seus momentos de fraqueza, de dúvida, mas sempre vai em frente, cheia de esperanças e por isso, o Caio está se superando a cada dia. Beijos pra vcs todos. Saudades!

Chris, mãe da Cecília disse...

Dinha, mais uma vez, que post lindo!!! Eu me surpreendí ao ler que vc se achava uma menininha.. te conheço há pouquíssimo tempo, mas você sempre passou essa imagem linda de hoje (achei que fosse inata :D.
De qualquer maneira, lindo post!
Muitos beijos e xodadis

Eva disse...

Oi Dinha, como sempre me emociono. Tenho muita sorte de ter alguém como você no rol das minhas amizades.

Dê disse...

Dinha, vc é um mulherão! E acho que a receita de entender nossos processos internos é poder presenciar esse verdadeiro milagre que é a vida...Parabéns por ser tão maravilhosa e pela família maravilhosa que você criou! Continuo sua fãzoca! Bjs mil

Paulinha disse...

Claudinha, eu diria que à vitória do amor, da persistência, da pesquisa e da dedicação somam-se a força, a garra, a coragem e a boa-vontade.
Mil beijos

Kathia disse...

Dinha,você pode se achar frágil,pequena, mas aos olhos do mundo você é o que é:inteira, forte,exemplo, enfim, mulher-coragem!

Isabella disse...

Ah, Dinha... como sempre me emociono com você e suas palavras tão lindas e suas lições de vida tão verdadeiras e maravilhosas. Um beijo enorme, minha querida.

Grilinha disse...

Minha amiga. Como eu gosto de te ler. Quantos sentimentos comuns partilhamos !
Sinto-me feliz por ti, por encarares desta forma a tua condição de mãe especial. É a mesma , ou pelo menos muito parecida com a minha, e arrisco a dizer que este post poderia ter sido escrito por mim, tirando o facto de eu nunca o poder ter escrito tão bem !!! Parabéns pelo teu desenvolvimento. Parabéns por seres assim. Tenho muito prazer em te ter conhecido. Tenho orgulho em ti. Um beijo