quinta-feira, 8 de março de 2007

Dia da Mulher

Não gosto muito das comemorações ao Dia Internacional da Mulher. Primeiro porque acredito que a grande maioria destas datas são destinadas a minorias ou pessoas vítimas de algum tipo de preconceito – vejam Dia do Índio, Dia da Consciência Negra, entre muitos outros. Depois, porque é para lembrar a morte de mais de uma centena de mulheres trabalhadoras no século 19, durante uma manifestação delas por melhores condições de trabalho.

Até gosto de receber botões de rosas, mensagens, cartões, etc. Porque realmente acho que a mulher, justamente por ter sido sempre, historicamente, tão reprimida e desvalorizada, fez grandes avanços na sociedade mundial. São aqueles números que divulgam que a mulher é responsável pelo sustento da família em X% de lares; ou que ela tem tido cada vez mais destaque em territórios profissionais antes estritamente dominados pelos homens. Hoje temos as juízas, as policiais, as cientistas, as políticas. Que bom, fico feliz.

Mas não consigo entender como ainda permanecemos com salários mais baixos do o do colega homem que exerce a mesma função; ou o quanto ainda somos vítimas de violência doméstica e exploração sexual e, diante das autoridades, temos que provar nossa inocência. Não entra na minha cabeça como um cromossomo diferente do meu pai ou do meu marido, me façam inferior, como infelizmente ainda somos vistas por uma parcela machista e burra da sociedade. Aliás, alguém já leu piadas de loiro burro? Não, é claro que era preciso ser uma mulher a figura estereotipada.

Enfim, tenho orgulho de ser mulher, porque acredito sim que somos mais fortes. Estamos ao longo dos anos derrubando intermináveis barreiras e construindo trajetórias que conciliam competência profissional, dedicação à maternidade, vida sexual, relacionamentos familiares e amorosos sólidos. Mas apesar disso tudo, sigo sonhando com uma sociedade mais igualitária, onde homem, mulher, idosos e crianças, independente de sua raça, possam simplesmente ser vistos como seres humanos e, por isso mesmo, todos dignos, na mesma proporção, de todos os direitos relativos a uma vida de qualidade e com oportunidades.

E ainda assim desejo a nós, mulheres, um feliz dia hoje. E amanhã também, e depois de amanhã e em todos os outros que estiverem por vir.

5 comentários:

Greice disse...

Dinha, você é uma Mulher que merece os parabéns todos os dias do ano!
E eu me sinto orgulhosa de, sendo mulher, saber que eu sou igual - ou melhor que muito homens. triste as que se sentem inferiorizadas perante qualquer homem machista idiota!
beijos querida!!

Isabella disse...

Dinha, nem uma vírgula a acrescentar. Amei o post, perfeito! Um grande beijo e feliz dia da mulher, hoje e sempre.

Bárbara (motherns) disse...

Tu hein?! Tá cada dia melhor!!! MAravilhoso!
Beijos

Grilinha disse...

Que post ! Aqui em Portugal as realidades são muito semelhantes...mulheres, são sinal de menos autonomia, filhos e como tal, na hora de escolher um funcionário, acontece muito serem preteridas, mesmo que evidenciem mais capacidade...mas enfim, cada uma de nós vai aos poucos mudando aos mentalidades...pena que nos sintamos " obrigadas" a produzir por 3 ou 4, só para mostrar o quanto somos eficientes e depois aguentar levar um salário um pouco inferior ao coleguinha homem....que produz bem menos !!! Beijokas

Flávia disse...

Dinha, concordo com suas colocações acerca do dia da mulher, viu?